top of page
tranzine.gif

Edição #10
Rio de Janeiro, 2007

TAGS: cultura, música, música eletrônica, videos

podcast.jpg
DKANDLE_Tranzine.jpg

“DKANDLE tece paisagens sonoras transcendentes vibrantes e multicoloridas, misturando texturas Shoegaze difusas e reverberantes, meditações Dream Pop hipnotizantes, tons Grunge lamacentos e tensões Post-punk temperamentais, intensificadas com lirismo comovente e vocalizações emotivas e pensativas”

Acid House - A House Music com sons mais psicodélicos e mais viajantes que veio no rastro da House de Chicago, juntamente com a intensificação do uso do ectasy ou pílula do amor, também do uso do Smileys em camisetas e festas fora dos clubs. Uma das grandes revoluções da música pop. A partir dela, muita coisa mudou, como o aparecimento das Raves, Músicas feitas por Djs, Djs culture, white labels, etc. O som é 4x4 com palmas ou som da caixa e não muito acelerado (120 Bpm em média) e melodias simples. Grandes nomes do início da Acid House? Bomb the Bass, M/A/R/R/S, S-Xpress, Coldcut, D-Mob, etc.

Acid Jazz - Música eletrônica com instrumentos acústicos e elétricos que usa o Funk e Breakbeat. Surgiu antes da Acid House, porém ficou conhecido com o boom desta e mudou de nome (era conhecido como Jazzdance ou Rare Grooves). Expoentes são Guru, US3, Miles Davis, Winton Marsalis, Herp Albert, etc.

 

Aggrotech - Um tipo de música eletrônica agressivo derivado do Industrial e do Techno. Popular em Berlin. Os frequentadores das festas costumam ter visual cybergoth. Alguns dos seus maiores exponentes são Combichrist, Alien Vampires, Chainreactor e Reaper.

Ambient - Ou Amb ou Atmospheric Techno Music. Música eletrônica para ser pano de fundo de batepapos. É feita para ser ouvida, não para ser escutada, nem para dançar mas para compor um ambiente. Dá ênfase às texturas e não ao ritmo. O primeiro álbum credita-se à Brian Eno (aquele ex-Roxy Music e criador do primmmm.. plen..plen..plen..musiquinha da abertura do Windows 95 :) Não tem absolutamente nada a ver com a praga da New Age.

Ambient Drum'n'Bass - É o Drum'n'bass sem preocupações com pista, mas mantendo aquela batida quebrada típica do D+B. O ritmo é um pano de fundo apenas para às texturas ambient.

Amen - Uma batida suja e velocíssima, típica do Drum'n'bass e Jungle. Seu nome origina-se da banda The Amen Brothers e é usada em 90% das bases Jungle.

Anokha - É o nome da noite feita pelo geniozinho indiano Talvin Singh no Blue Note de Londres. Com o sucesso do evento, criaram uma coletânia homônima com expoentes da nova música eletrônica asiática baseada em suas origens e em maioria no Drum'n'bass. Artistas representativos dessa música são State of Bengall, Earth Tribe, Asian Dub Foundation, Bally Sagoo e, claro, Talvin Sigh.

 

Bate Cabelo - Tipo de house bastante comercial, quase sempre com vocal feminino (geralmente com vozerão à la cantoras gospel do Harlem) e batidas tribais. O "bate cabelo" é uma alusão a transformistas que costumam dublar esse tipo de música em shows em boates gays e que invariavelmente jogam o cabelo para frente e para trás. Whitney Houston, Cher e Maria Carey são divas absolutas com seus remixes House.

Big Beat - Segundo a definição da Moonshine (gravadora símbolo desse estilo musical) é claramente uma fusão do Trip Hop com Tecno. Ou melhor: A mistura do lado pesado do Tecno com a viagem do Trip Hop (o nome da primeira coletânea lançada nesse estilo é Hardhop Tripno! "Hard" de pesado, 'hop" e "trip" de Trip Hop, e "no" de tecno). Conta-se que tudo começou no Albany Club de Londres quando 2 irmãos ex-roqueiros (Tom e Ed Chemical.. ou Chemical Brothers) tentavam ser DJs, conheceram um outro ex-roqueiro Norman Cook, ex-Housemartins, e depois Fatboy Slim). Criaram nessas noites de Albany uma batida quebrada (breakbeat) mas com o mesmo "tempo", excitação e aquelas coisas ácidas da House.
 

Breakbeat - É uma batida quebrada, diferente da House, da Disco, do Tecno e do Trance (que são 4x4) e da valsa (que é 3x3). Este balaio do Breakbeat engloba o Drum'n'bass, Jungle, Trip Hop, Big Beat, Funk e qualquer outro gênero de batida quebrada.

 

Chill in - Aquecimento para uma noite fantástica de muita dança e música boa.

Chill out - Se ainda não estiver morto ainda após dançar por horas, pode-se desaquecer antes de cair no sono num chill out. Em 1990, quando Detroit Tecno já reinava nas pistas undergrounds, The Orb começou a fazer uma música, baseada em tecno mas com mais Landscapes (paisagens.. texturas) para ser tocada após as festas. Em Sheffield, Grã Bretanha, foi criado o selo Warp que passou a lançar este tipo de música. Os dois volumes de Artificial Intelligence são os clássicos do gênero.

Club House - É o nome dado a uma das vertentes da House Music americana que nasceu em Nova Iorque. O que caracteriza o CH e o diferencia, são as batidas (bpms) mais fortes e menos repetitivas, incrementadas com instrumentos musicais, além dos vocais, muito mais bem trabalhados que os da Euro House, com remixes de artistas de primeira linha conhecidos do público mundial, geralmente da música POP e R&B (Rhythm And Blues) americana, garantindo uma letra de bom conteúdo e ritmos bombásticos!

Deep House - É um sub estilo da house music porém mais lenta e, geralmente mais jazzy.

Drum'n'Bass - Também D+B, D'N'B ou Drumambeis. Músicas feitas em um ritmo alucinado, bem rápido e totalmente quebrado (breakbeat), ou seja, nada daquele tunstituntistuntistun, mas ao invés disso, tumtá..tumtátumtum...tá. O D+B sugiu derivando-se do jungle (sem bem que são totalmente confundíveis) e diferencia-se deste por ser mais branco e usar strings como violinos ou elementos eletrônicos que os imita (enquanto o jungle é mais negro, geralmente tem vocais de reggae e é bastante agressivo), ou seja, mais melódico, vocais mais cantados que gritados, etc. Outros elementos do D+B são a linha de Baixo com forte influência do reggae e as batidas quebradas. Os grandes nomes (grande parte negros, antagonicamente) são Goldie, Grooverider, Flytronix, Roni Size, J-Majik, Alex Reece, Omni Trio, 4 Hero, Talvin Sigh, The Dream Team, etc.

Dark Roller - É um sub estilo do Drum'n'bass que tem tons muito mais sombrios e darks que o D+B tradicional. É meio que o D+B pra ouvir num cemitério.

Disco - Estilo dançante extremamente alegre, quase nada eletrônico ainda e bastante influenciado pelo som negro americano que no final dos anos 70 tomou de assalto toda a mídia, reforçados principalmente por filmes como Embalos de Sábado a Noite, Os Embalos de Sábado Continuam, com John Travolta, e Thank God it's Friday com Donna Summer e Lionel Ritchie, e por artistas e bandas como a própria Donna, Jackson 5, Gloria Gaynor, Chic, Village People, The Commodores, Bee Gees, Earth Wind and Fire, etc. A batida é o 4x4 com bumbo no 1 e 3 e palmas no 2 e 4 e um som super alegre com sopros, vocais e guitarrinhas com riffs curtinhos e rápidos. Ao contrário do que muitos pensam, a Disco é feita até hoje com bases eletrônicas e muito!! Grandes nomes atuais como Luke Slater e Thomas Benghalter fazem disco. Ou você acha que Gyn Tonic e Stardust é tecno?

Downbeats - Batidas relaxantes e linha de baixo quente originárias do Hip Hop. Basicamente, todo não Drum'n'bass/jungle nem bigbeat breakbeats entram aqui. Em janeiro de 1998 a banda francesa AIR lançou seu debut álbum Moons Safari, exemplo que mais combina com a combinação de estilos no mesmo som.

Downtempo - Sub estilo musical que como o próprio nome diz tem o tempo ou ritmo bastante lento. É derivado do Ambient e como o Amb. Drum'n'bass, o ritmo ou a batida não tem destaque, apesar de existir, diferentemente do Ambient puro.

Dub - Não é nem um estilo musical, mas uma remontagem ou desconstrução de outras músicas extremamente instrumental, eletrônica, suja e repetitiva. Não tem vocais, mas o vocal da música original as vezes entra como mais um fator da bagunça criada pelo autor da versão dub. Um expoente? Dj. Mad Professor, que inclusive lançou um álbum só de dub com músicas do Massive Attack.

Electro - Texturas extremamente eletrônicas, com tons de música futurista do passado, ou seja, aqueles toques de computadores da década de 70, e batidas dançantes mais para rock do que para techno. Divide-se em electroclash (quase sempre com vocal feminino, soa como um revival new wave dos anos 80 com batidas eletrônicas), hard electro, electro-rock, electro-funk, dark electro, etc. Tiga, Miss Kittin, Anthony Rother, Dopplereffekt, Digitalism, Vitalic e Mylo são alguns dos principais nomes do gênero.

EBM - Electronic Body Music ou Industrial. Gênero desenvolvido na Bélgica entre 85-88 que na verdade é uma derivação mais pesada do Electro que tem um ar industrial pelo peso no baixo e na batida eletrônica. As bandas mais representativas são o Front 242, T99, Tragic Error, e os mais recentes Nine Inch Nails e Ministry.

Euro - Quando a House Music chegou em 1989/90 à Europa tornou-se mais comercial e houve pela primeira vez em dezenas de anos bandas de países como Holanda (2 Unlimited), Alemanha (Culture Beat), Espanha (Snap), Itália (Double Dee, Blackbox, 49'rs), Suécia (Dr. Alban) estourados nos primeiros lugares dos Top Ten (sempre dominados por americanos ou ingleses).

Experimental - Techno music minimalista. The Orb e Future Sound of London (FSOL) são os expoentes.

Flipside - Ou lado B. O outro lado de um single 7''. Um exemplo de Lado B que deu certo é Higher State of Consciousness do Josh Wink lançado em 95 e que alcançou os top-ten 2 anos depois.

French House - Paris é berço de um sub estilo da House que deu um novo frescor à House desde 1997. Dimitri From Paris, Etienne de Crècy, Motorbass, Catalan FC, Bob Sinclair, Thomas Benghalter, Jeff K., etc. As noites de quarta do Queens (Respect is Burning) e selos como Yellow e Roulè são os responsáveis por esse boom francês. O Techno-funk-disco-house (nome dado ao estilo Daft Punk e Motorbass) do álbum Homework tomou de assalto a cena em 97. o New-Disco de Stardust de Thomas Benghalter/Bob Sinclair idem em 98.

Funk - Música dançante com acentos no baixo e na batida. Os grandes nomes são James Brown, Sly Stone e George Clinton. É uma fortíssima influência nos posteriores Hip Hop, Breakbeat, Acid Jazz, etc. Funky - É o nome que se dá àquela ênfase forte que se dá em uma música ao ritmo e à batida. Um house funky ou um electro funky são então, um house ou um electro com bastante ênfase no ritmo, mas com um jeitão meio urbano, por vezes meio latino, enfim, é um toque que te faz dar vontade de dançar mesmo não conhecendo ou não gostando da música.

Gabba ou Gabber - É um techno com ritmo aceleradíssimo, sujo e pesado como o som do punk rock. É o mais pesado e rápido estilo de música eletrônica. Enfie um microfone num liquidificador e ligue o amplificador em volume máximo, bata numa lata com força ao mesmo tempo que conta de 1 a 100 o mais rápido que você consegue. Uma batida na lata a cada número. De 16 em 16 na contagem, pare um segundo e solte um arroto. A zoeira que você produzir é um gabba acústico. O número de batidas por minuto pode chegar de 200 à 400 Bpms. Surgiu em Roterdã, Holanda em 1989. Gabber significa "colega" em dutch.

Garage - É um sub estilo da House que meio que foi criado (o nome, não o estilo) apra diferenciar do house menos comercial e com vocais enxutos. Criado em Nova York (vem de "Paradise Garage", lendário club novaiorquino dos 80's de Larry Levan) é também meio que influenciado pelo R&B, por ter como principal característica ser quente e ter mais soul e ser mais orientado aos vocais que a house pura de Chicago. Alison Limerick, Robin S., Sounds of Blackness fizeram algumas das músicas mais representativas do gênero.

Goa Trance - É um sub estilo do trance, criado na cidade asiática de Goa, e que mistura um som electro (cheio de tois e puins de equipamentos eletrônicos) com o som repetitivo do trance e uma coisa menos comercial e bem mais psicodélica, com referências claras às divindades indianas e tal.

Groove - Levada. É meio que por assim dizer a alma da música. Uma música com um groove latino tem aquele jeitão de lambada. Uma música com um groovizão é aquela que tem ênfaze na levada. Não significa ser mais rápida ou mais lenta, mais pesada ou mais lenta, nem mais funky ou menos funky.

Groovy - Algo que tem uma forte ênfase na levada, independente do tipo de ritmo, ou seja, um house ou um artista que se chama de groovy pode ser um house ou um artista que tem ou dá uma forte ênfase no seu rítmo latino, ou brasileiro (como com uns sambas no meio) ou de jazz. US3 por exemplo é bastante groovy e funky ao mesmo tempo. Já São Paulo é bem groovy sem ser funky pois dá ênfase à levada meio brasileira mas não tem aquele ritmo forte, marcado.

Groovebox - Equipamento para gerar levadas de músicas, ou bases. Diferencia-se do Beatbox porque este último gera apenas as batidas enquanto o groovebox gera também a base. MC-303, 505, 307, 909 e 808 são a linha de groovebox da Roland. Uma bateria eletrônica seria um beatbox.

Hardcore - Música techno agressiva, abrasiva, repetitiva. Gabber, Hard Trance são Hardcore.

Hardstep - Uma variante do jungle onde o som do baixo é reforçado e sincopado (fora da batida). Muito usado por Grooverider.

Hi NRG - É a sequência da Disco Music. Um pouco mais já eletrônico.

House Music - Gênero musical extremamente voltado para as pistas de dança surgido no ano de 1988 em Chicago (O próprio nome HOUSE vem do club The Warehouse de Chicago), e que, de certo modo atualizou com bases eletrônicas (Roland 303) a disco dos anos 70 em contestação aos anos de música depressiva que reinava no mainstream dos anos 80. Ainda muito primário, teve seu boom com a Acid House. Depois da criação da House, nada mais seria o mesmo na música mundial, pois a preocupação com as pistas de dança, a utilização de elementos de estúdio pós gravação (samplers, loops, remixes, etc..), a cultura DJ, enfim, todos os elementos da house music influenciariam os gêneros que surgiram depois. No Chicago House, o original, vocais são usados e um loop de piano típico também.

Hip Hop - Gênero musical derivado da disco na década de 70 e caracterizado por vocais falados. Apesar de existir já antes nos guetos negros dos subúrbios americanos, o Hip Hop virou mainstream com Rapper's Delight que falavam sobre a base de Good Times do Chic.

Ibiza - Ilha espanhola onde se instalam dezenas de grandes clubs e centenas de grandes Djs do mundo afora durante o verão europeu. A música eletrônica que é tipicamente de verão acaba sendo conhecida por Ibiza.

IDM - Inteligent Dance Music. Rótulo criado para definir músicas feitas para a pista mas que tenham algo mais inteligente, algo mais criativo, algo inovador. Nesse rótulo podem estar incluídos desde os Ambients de µ-Ziq e Aphex Twin ao Electro do Kraftwerk. Do D+B do Dream Team ao Trip Hop de Portishead ou ao Listening Tecno do The Orb. Porém, este rótulo começou a se tornar pejorativo por causa do seu tom elitista, e hoje em dia muitos preferem chamá-lo de Ambient Techno ou Braindance.

Illbient - É a mesma música Ambient, porém feita mesmo para incomodar e não para relaxar. Criada por DJ Spooky usando elementos do Jungle, tem como maior expoente e mais criativo artista Aphex Twin.

Indie Dance - É uma variação do rock independente inglês feita com elementos eletrônicos e voltado para as pistas. Os grandes expoentes são My Bloody Valentine (Glider - 1990), Happy Mondays (Hallelujah - 1990), Stone Roses (Fools Gold) e Primal Scream (Loaded - 1989 e Come Together - 1991)

Jazzdance - É o Jazz voltado para as pistas. Confunde-se muito com o Acid Jazz e atualmente com o Deep House.

Jazzstep - Outra variante do jungle onde elementos jazzísticos são incorporados à batida.

Jazzy - Contêm elementos de Jazz e principalmente da Bossa Nova de Tom, Vinícius e Marcus Valle. Hoje em dia, do Deep House ao Drum'n'Bass usam elementos jazzísticos (pianos, trumpetes, saxofones, xilofones) e brasileiros nas texturas e vocais.

Jungle - Surgiu nos subúrbios de Londres em 1989, porém tendo sido reconhecido somente em 1995 com artistas como 4 Hero, Goldie (Timeless) e A Guy Called Gerard (Voodoo Ray). O gênero é descrito como um breakbeat rapidíssimo (140 a 170 Bpms) com linha de baixo lenta (a metade). Alguns o descrevem como a metade dessas bpms (70 a 90 bpms, seguindo a velocidade do baixo) porém com batidas dobradas. Para muitos não há diferenciação entre Jungle e D+B, para outros há. Ver no item Drum'n'Bass.

Leftfield - Música bem diferente do que se produz normalmente, diferente do que se faz no mainstream. Não pode ser classificada, por isso a chamam de Leftfield.

Nightmare - Um tom sinistro e funestro à musica. Algo Brainbug (Nightmare e Benedictus) ou mais dark ainda.

Nu School - Ou New School. Nova forma de encarar um estilo musical. Assim, o Nu School Jungle, seriam as novas variações que bandas inovadoras do estilo estariam fazendo.

Old School - Tudo que é música ainda experimental antes de virar alguma coisa ou de se criar um rótulo para ela. Alguns chamam músicas velhas ou clássicos de Old School.

Progressive - É um som mais melódico e psicodélico à música. Existe o progressive house, progressive D+B (LTJ Bukem), progressive trance (Tiësto) etc.

Psy-trance - Vertente psicodélica do trance. Grande parte do que se produz de psy é chamado de Full On, cujos expoentes são GMS, Skazi, Eskimo e Infected Mushroom. É um estilo muito popular em Israel, chegando a tocar em rádios FM.

R&B - Rhythym and Blues e às vezes chamado de Charme. Gênero musical bastante vendável, cada dia mais próximo da música eletrônica. Caracteriza-se por ser funky, lento e quente. Deriva-se do Hip Hop e do Blues, mas é extremamente dançante. TLC, Lighthouse Family, Brandy, Usher, etc. são campeões de venda tocando isso.

Techno - Gênero de música eletrônica pesada. É uma variação da House, porém com batidas mais furiosas e menos suaves, contendo batidas mecânicas e usando sons que vão desde sirenes apocalípticas a samplers de diálogos de TV ou filmes. Foi criada e desenvolvida em Detroit, e os "3 heróis" do Tecno são Derrick May, Kevin Saunderson e Juan Atkins. O Techno original é mais rápido que a House (126 a 130 BPMs) e geralmenhte não contém as palmas (características da House e Disco). Os Technos mais pesados e ásperos são conhecidos como "Lenha".

Trance - Trance é definido como uma Ambient com batidas mais pronunciadas e claro, mais rápidas. É rápida (140+bpm), porém trippy. Subdivide-se em euro-trance (comercial farofa), goa-trance, hard-trance, psy-trance, etc.

Trip Hop - Inicialmente conhecida como "música dance para a cadeira" por seu Tempo muito lento (120 bpm). Não tem preocupação para a pista. A turma de Bristol merece especial citação, pois Massive Attack (alguns creditam a Soul II Soul) é a provável origem em 1991. Batidas lentas como do Hip Hop combinadas com influências do Reggae e Dub e sons criativos e sensuais, por vezes depressivos (influências das bandas dos 80). Unfinished Sympathy do Massive Attack é o maior hit (é considerada a melhor música dançante de todos os tempos pela revista DJ Mag, através de entrevista feita com os mais famosos Djs ingleses e americanos). Ainda importantes no estilo são Portishead, Tricky, Morcheeba, Cibo Matto, The Aloof, Sneaker Pimps, Mono...

Tá faltando algum estilo nesse dicionário? Comente
abaixo

página anterior: MÚSICA E ESPIRITUALIDADE
próxima página: FRASES DE OSCAR WILDE

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR:
HISTÓRIA DO PSY-TRANCE
HISTÓRIA DO TECHNO
bottom of page