top of page
tranzine.gif

Edição #10
Rio de Janeiro, 2007

podcast.jpg
DKANDLE_Tranzine.jpg

“DKANDLE tece paisagens sonoras transcendentes vibrantes e multicoloridas, misturando texturas Shoegaze difusas e reverberantes, meditações Dream Pop hipnotizantes, tons Grunge lamacentos e tensões Post-punk temperamentais, intensificadas com lirismo comovente e vocalizações emotivas e pensativas”

TAGS: ativismo, cultura

ENTREVISTA COM

HARLEM PINHEIRO

TAGS: entrevistamúsicamúsica eletrônicaundergroundvídeos

Tranzine - Por que Alienaqtor?
Harlem - No início, o projeto se chamava Alienator, tinha a ver com uma ironia em relação a alienação e ao fato de sentir-se meio estranho no ninho na cidade onde nasci - Campos. O "q" entrou pela necessidade de mudar a grafia , já que descobri existirem outros 3 projetos estrangeiros de mesmo nome, e, na verdade, por um erro de digitação no cadastro em um site online, mas eu gosto de Alienaqtor! Li, analisei e achei que ficava melhor e soava distinto de qualquer outro.

Tranzine - Quais os estilos que toca?
Harlem - A questão dos estilos sempre é complexa, pois o projeto do começo é bem diferente do atual. Em 1999, era essencialmente música de pista com toques experimentais, com predominância de elementos electro, techno e minimal. Com o tempo, o projeto foi incorporando mais melodias, mais "climas" e estudos de frequências e efeitos stereo, estilos como Breakbeat, idm, ambient entraram no caldeirão entre os anos de 2001 e 2004. Os últimos eps, lançados por netlabels este ano, já caíram totalmente para um lado experimental e tão diverso que seria melhor descrito como pequenas trilhas sonoras abstratas para filmes imaginários, indo de ambient techno e trip-hop à crossovers irrotuláveis.

Tranzine - Como você vê este novo panorama musical de distribuição de música digital? Na prática isso facilita ou dificulta a sobrevivência de projetos musicais independentes no mercado?
Harlem - Sem pensar muito eu diria que facilita, pois elimina obstáculos diversos, especialmente para quem não está inserido na grande mídia ou fora dos eixos culturais onde este tipo de música predomina. Mas se for analisar a fundo... Também dificulta, pelo enorme volume de produção que nem sempre faz com que os melhores trabalhos sejam os mais divulgados, dependendo muito também dos veículos de divulgação a que se está ligado. Ainda acredito que só o tempo pode ir "filtrando" o que realmente deve ficar!

Tranzine - E como se diferenciar dessa massa de pessoas fazendo musica?
Harlem - Fazer shows é uma alternativa, mas não adianta muito se o som for configurado para formato rígido de estúdio; acho que [a solução] é trabalhar o som associado a outras mídias, vídeo em especial, pois pode mostrar mais claramente outros sentidos do trabalho e alcançar mais outras pessoas que não o fariam pela música somente. Acrescento ainda que música pode ser uma "ilustração" para muita coisa: artes plásticas, imagens estáticas ou em movimento, performances, dança, etc.

Tranzine - Como é a cena musical em Campos? Existem outros projetos eletronicos por aí?

Harlem - A cena local é pequena, ainda não solidificada, existem djs de house, drum & bass e electro, mas não tem muito mais variedade. Tem um projeto, curiosamente é uma mistura de estilos, com um toque trilha sonora, o nome é 82.

Tranzine - Como você vê a cena eletrônica brasileira? Alguns nomes que você curte:
Harlem - Acho a cena infinitamente repleta de possibilidade e aquém do estágio que poderia alcançar. Cadê a diversidade cultural, cadê as pesquisas densas e explorações de novos universos? Sinto que muita gente que busca identidade, e vê a música como arte acima de tudo, não consegue espaço, por limitações de estrutura, de mercado. Por outro lado, muita gente que só segue fórmulas e copia 100% a produção de determinados artistas estrangeiros, parecem conseguir mais destaque. Sobre nomes: Saara Saara, Harry, Inhumanoids, Simbolo, Fellini (pioneiros), cenas como o mangue bit: Chico Science e Nação Zumbi, Mundo Livre S.A., do pessoal anos 90 até agora, acrescentaria: Paula Daunt, Nobody Else, Enjoy, Retrigger e artistas solo como A Industrya, Ian Martinez, XRS Land, Alex Numb, Voz Del Fuego, Johann Heyss, Miss Undead, Sintetik, Sonido Sintetico, R-O-B-A-T-O, etc. Tem mais gente, hehe, difícil vai ser lembrar agora.

Tranzine - Que sons você tem mais ouvido ultimamente?
Harlem - Eu sempre fui um compulsivo musical. Ultimamente tenho ouvindo muitos scores de trilhas sonoras, coisas como John Carpenter, Goblin, Richard Band, Jerry Goldsmith; estilos recentes como dubstep/ sublow; e sempre electro, synthpop, idm, acid, breakbeats, música étnica e regional de várias regiões e países, ambient, dream pop/ shoegazer; percursões, sons emblemáticos e densos, barulhinhos do dia a dia; psicodelias e surtos audiovisuais. Ah, coloca aí também o lado extremo da eletrônica: Break-Raggacore, Hardcore Industrial e Speedcore e, por fim, pós-punk (fase preferida do Rock), vintage electronica e punk 77.

Tranzine - A favor ou contra a legalização das drogas?
Harlem - Totalmente a favor! Não vou entrar a fundo pois este assunto tem sido por demais explicitado, mas na legalização está uma das poucas "chaves" para a redução da violência atual.

Tranzine - Em qual político você não votaria de jeito nenhum?
Harlem - Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho...

Tranzine - Se você fosse levado para uma ilha deserta e só pudesse levar 3 discos, quais você levaria?
Harlem - Depeche Mode - Music For The Masses, The Future Sound of London - Dead Cities e Siouxsie & The Banshees - Once Upon A Time The Singles 1977-1980.

 

www.myspace.com/alienaqtor
harlempinheiro@yahoo.com.br

DISCOGRAFIA:

· O Alienador EP (demo CD, independente, 2001)
· Elektruthfuck - UnderstandIt! EP (demo CD, independente, 2002)
· "Elektruthfuck - Original Mix" - música na coletânea Look What I Cooked Vol 1: Meat & Potatoes (CD, Moron Labs, 2003)
· "Spread The Spell (Melodik 'Lektro)" - música na coletânea Look What I Cooked Vol 2: The Dinner Party (CD, Moron Labs, 2004)
· "Bedspread of Remnants" - música 06 no projeto 1 Minute Massacre Volume 3 cd 2 (Soulseek Records, a ser lançado, 2006)
· Tales of Psychotropicdaelia MP3 EP (Shkart, Shkart010, 2006) - 
http://www.shkart.com
· First Schizophrenic Pupil Mp3 EP (Digital Enemy Records, DE004, 2006) - http://www.digitalenemy.com.br
· "Astral Baby (Extended Instrumental)" - música na coletânea SDLC v3.2: Move Your Ass Baby (Mp3, Salon De La Composition, SDLC v3.2, 2006) - http://sdlcnet.info

Você curte o som do Alienaqtor? Deixe um comentário abaixo

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR:
ENTREVISTA COM CYBERPUNKERS
ENTREVISTA COM WRY
bottom of page