top of page

TEM TECHNO E PUNK
NA EXPLOSÃO DO BLUES

Jon Spencer Blues Explosion fala em Londres com Denis Kandle sobre Acme, o seu mais recente álbum
(publicado originalmente na coluna Rio Fanzine, jornal O Globo)

TAGS: bandas, entrevista, música, rock

DKANDLE

“DKANDLE tece paisagens sonoras transcendentes vibrantes e multicoloridas, misturando texturas Shoegaze difusas e reverberantes, meditações Dream Pop hipnotizantes, tons Grunge lamacentos e tensões Post-punk temperamentais, intensificadas com lirismo comovente e vocalizações emotivas e pensativas”

Uma das bandas mais legais de Nova York lançou recentemente o seu mais novo disco, Acme. Formada por Jon Spencer (vocal, guitarra), Judah Bauer (guitarra) e Russell Simins (bateria), o Jon Spencer Blues Explosion não faz blues, apesar do nome. Não há definição certa para a sua música, mas eles flertam com o punk-rock e usam elementos eletrônicos. Por que esse nome, então?

"É, eu sei que é um nome estranho", admite Spencer, "mas preste atenção: Blues Explosion!!! Não soa bem?"

Com cinco discos já lançados (Now I Got Worry, penúltimo álbum, lançado no Brasil pela Paradoxx, recebeu cinco estrelas na Rolling Stone), o Jon Spencer Blues Explosion ganhou alguma notoriedade por haver convidado nomes importantes como Mike D. (Beastie Boys) e Moby para remixarem algumas de suas músicas.

O grupo também é conhecido por usar um instrumento chamado Theremim (um sintetizador dos anos 50, que produz aqueles barulhos esquisitos de filmes de terror classe B) e por não ter um baixista nas suas apresentações ao vivo, o que faz com que tenham uma característica toda particular. "Nós gostamos de um som mais agudo. Mas usamos baixo nas nossas gravações", diz ele.

Quanto ao disco, Spencer diz: "Nós gravamos tudo em um take só e depois botamos alguns detalhes separadamente", conta ele. "O disco foi gravado em Chicago, em janeiro de 97, e foi produzido pelo Steve Albini, o mesmo produtor do ´In Utero´, do Nirvana".

 

Segundo ele, essa forma de gravação é a que mais se encaixa no estilo do grupo: "Não sei, essas gravações ao vivo capturam um tipo de... uma certa magia, uma energia específica que rola quando tocamos juntos. Gravar cada instrumento separado acaba resultando numa coisa muito fria. Este estilo não casa com a gente".

 

Apesar do blues no nome e do som quase punk, Jon garante que todos na banda gostam de techno também. "Gostamos muito do Atari Teenage Riot, por exemplo, e por isso chamamos o Alec Empire para mixar uma das nossas faixas".

 

Uma pergunta inevitável: vocês usaram algum outro instrumento eletrônico além do Theremim? "Nós usamos sintetizadores, samplers e vários outros tipos diferentes de teclados".

O que você acha do som do Jon Spencer Blues Explosion?

Deixe a sua opinião abaixo

página anterior: ATARI TEENAGE RIOT
próxima página: ZUMBI DO MATO (ENTREVISTA)

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR:

TRANZINE!!! Inc.

Edição #2
Rio de Janeiro, 1999

TRANZINE PODCAST
Jon Spencer Blues Explosion
Vulgue Tostoi

VULGUE TOSTOI
A banda lança o CD de estreia, Impaciência, e bate um papo com o Tranzine

KURT & COURTNEY
Documentário põe em cheque: Kurt Cobain se matou ou foi assassinado?

SOYLINT GREEN
Confira a entrevista com essa banda de Westport, WA

bottom of page